Entre em contato com um de nossos especialistas!

Conheça os cuidados de uma estabilização de talude

As encostas são muito comuns em áreas sem reflorestamento e em terrenos com diferenças de nível. As estradas abertas em regiões de serra, por exemplo, normalmente têm taludes altos. Como se trata de uma estrutura inclinada, é essencial perceber como realizar a estabilização de talude.

Durante o processo alguns cuidados devem ser tomados, de modo a evitar ao máximo situações imprevistas. Principalmente, é uma proposta para manter a segurança e garantir que o ambiente seja preservado.

Na sequência, descubra como fazer a estabilização de taludes e compreenda quais são os pontos que merecem a sua atenção!

Selecione a técnica ideal para cada local

É indispensável contar com as obras adequadas para que os taludes fiquem completamente estáveis. Como cada cenário vai apresentar diversidades, convém analisar muito bem as características do local em questão, como a forma, a altura do plano de terreno e o tipo de solo.

Em alguns casos, a utilização de placas e materiais sintéticos, como telas, é o melhor caminho. Em outros, os diferentes tipos de grama servem como tratamento e geram resultados bem interessantes.

O ideal é conferir essa necessidade junto a especialistas no assunto, como empresas com alta expertise no processo. Desse modo, haverá muito mais segurança e eficiência no método escolhido.

Utilize o escalonamento para estabilização

No caso de taludes com altura em torno de 5 metros, é possível fazer um corte único. Isso quer dizer que a inclinação é contínua e, mesmo assim, se mantém estável. É o tipo mais simples e é muito empregado, principalmente, em encostas menores e mais simples.

Nos taludes que são maiores que aquele limite, entretanto, o ideal é recorrer ao escalonamento ou recorte escalonado. Essa técnica corresponde à criação de “degraus”, com alturas diferentes, que mais adiante podem receber tratamentos com microdrenagem e revestimentos apropriados. Dessa maneira, torna-se possível garantir maior equilíbrio em relação às tensões, o que diminuirá os riscos de instabilidade.

Tenha atenção em relação à drenagem

estabilização de talude também depende das características do solo. Se ele for muito úmido, ganha peso e, com isso, rompe a força necessária para descer a inclinação. De forma simples, quanto mais pesado estiver o terreno, maiores serão as chances de o barranco ceder.

Para evitar que isso aconteça, é essencial cuidar da drenagem. O tratamento adequado do solo e o uso de estruturas específicas são meios para reduzir a absorção de água e garantir um movimento que não prejudique sua firmeza.

Além disso, é indispensável considerar o uso de recursos naturais para impedir que o terreno fique encharcado. A presença de grama, por exemplo, faz com que as raízes absorvam parte da água. Para melhorar, a folhagem diminui o impacto direto no solo, o que otimiza os resultados a obter.

Monitore a situação da estabilização de talude

Além de selecionar as práticas adequadas e de cuidar das características para evitar a erosão, é essencial acompanhar o desempenho do projeto realizado. A estabilização de talude, afinal, é dinâmica e pode ter novas exigências, de acordo com a transformação de condições do terreno.

O melhor a ser feito é monitorar os eventuais deslocamentos, verificar se houve alguma modificação no local e analisar constantemente a área.

estabilização de talude é fundamental para ter encostas protegidas e que não causam acidentes ou dificuldades. Ao utilizar as recomendações do texto, você será capaz de diminuir as chances de surgirem imprevistos.

Gostou de conhecer os cuidados com a estabilização de taludes? Assine a newsletter da AMP e receba outros conteúdos.



  • Rio de Janeiro
  • São Gonçalo
  • Duque de Caxias
  • Nova Iguaçu
  • Niterói
  • Belford Roxo
  • São João de Meriti
  • Campos dos Goytacazes
  • Petrópolis
  • Volta Redonda
  • Magé
  • Itaboraí
  • Mesquita
  • Nova Friburgo
  • Barra Mansa
  • Macaé
  • Cabo Frio
  • Nilópolis
  • Teresópolis
  • Resende